sábado, 20 de fevereiro de 2016

Saladas? porque tenho que comer?

Saladas? porque tenho que comer?

A nossa alimentação é muito mais importante e complexa do que simplesmente a ato de levar o alimento à boca. Todo alimento deve ser visto como uma parte de nós. Sendo assim, uma alimentação balanceada traz harmonia e equilíbrio para o nosso organismo. Cabe aí, usar a tão conhecida e famosa frase "Somos o que comemos".

Se quisermos ter uma alimentação equilibrada devemos incluir as saladas em nosso cardápio, pois elas ajudam na hidratação do nosso organismo, são de fácil e rápida digestão e ricas em nutrientes necessários ao nosso organismo.

Existem muitas vantagens de se consumir saladas. Se as consumimos antes dos pratos quentes, sentiremos aumentar a saciedade e isso nos levará a reduzir o consumo de alimentos mais calóricos. Por possuírem baixo teor calórico, contribuirão para a perda de peso. Também encontramos nas saladas as fibras, vitaminas, minerais e energia que ajudam a melhorar o funcionamento do nosso organismo. Além disso, são de preparo rápido e fácil.

O consumo de saladas tem também algumas desvantagens. As saladas preparadas com verduras e legumes com dose alta de agrotóxicos, se não lavados e preparados corretamente, podem causar sérios danos à nossa saúde. Assim como o uso contínuo de legumes enlatados em saladas não são indicados, pois eles contêm quantidade alta de sódio, podendo acarretar em nosso organismo, problemas circulatórios.

As receitas de saladas feitas com legumes enlatados não apresentam a mesma quantidade de vitaminas e minerais que as preparadas com legumes e verduras frescas. Segue abaixo uma lista das vitaminas e os legumes e verduras onde são encontradas:

•Vitamina A – no espinafre, chicória
•Vitamina B – espinafre, berinjela
•Vitamina B6 – vegetais de folhas verdes
•Vitamina B9 – vegetais de folhas escuras
•Vitamina C – alface, tomate, cenoura, espinafre, nabo, repolho
•Vitamina K – vegetais em geral
Nas saladas encontramos também os minerais. Veja alguns exemplos:

•Tomate – potássio, sódio, fósforo, cálcio e ferro
•Repolho – potássio, cálcio e fósforo
•Alface – (Cálcio, fósforo e ferro)
•Espinafre – iodo, enxofre, fósforo e ferro
•Cenoura – fósforo, potássio, cálcio e sódio
•Chicória – cálcio, fósforo e ferro
•Batata – fósforo e potássio
Os temperos são de grande importância nas saladas, sendo os mais indicados os que além de dar mais aroma e aparência, também beneficiam a saúde com os temperos feitos com o azeite de oliva ricos em vitamina E, vinagre que contém poucas calorias, alho que ajuda na prevenção de doenças circulatórias e tem ação anti-inflamatória, orégano e manjericão que possuem propriedades antioxidantes, salsa, rica em betacaroteno e vitamina C e cebola, rica em vitamina A e vitamina B1.

Um ponto a se lembrar é que as pessoas com problemas de gastrite ou úlceras devem evitar o vinagre. Há os temperos que podem tornar uma salada em um alimento calórico como a base de gordura animal, os molhos rosé e tártaro.
Alimente-se bem. Inclua no seu cardápio receitas diversificadas de saladas e veja diferença.

Beijosss!

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

fogão de lata de refrigerante


Nunca Mais Vai Jogar As Latinhas De Refrigerante Fora! Que Coisa Incrível!

É muito fácil de fazer um pequeno “fogão” para um caso de emergência ou necessidade. Serve para manter a comida quente num buffet (colocar por baixo do tabuleiro da comida) , no campo para aquecer uma sopa ou para iluminar um quarto quando falta energia elétrica. Este tutorial vai ensinar-lhe como fazer um pequeno fogão a álcool com uma lata de alumínio em poucos minutos.
latinhas-refri
Em primeiro lugar os avisos. Existe alguns riscos nesta invenção a utilização do álcool e fogo na operação. Por esta razão, pedimos-lhe que tenha especial cuidado ao manusear e utilizar os produtos. Embora pequeno e aparentemente inofensivo, não é um brinquedo, por isso trate como tal.
O que nós vamos ensinar pode ser bastante útil, especialmente nas situações de emergência quando você precisa de uma pequena boca de fogão ou uma lâmpada e não tem a mão.
Em suma, é um truque fantástico de sobrevivência.
Os materiais que você vai precisar são:
fogo1
  • Duas latas de refrigerante
  • Álcool
  • Um estilete
  • Uma lixa
  • Um prego
  • Fibra de vidro, gase de algodão…
Passo 1:
Meça dois centímetros do fundo das latas e trace uma linha com um marcador por todo seu contorno. Marque também outros pontos ao redor da parte de baixo de uma das latas com o máximo de simetria.
fogo2
Passo 2:
Corte na altura da linha que você fez com o marcador e fure com o prego os pontos que foram feitos ao redor do fundo da lata. Veja abaixo:
fogo3
Passo 3:
Use a fibra de vidro e una as duas partes das latas. Na lata que você não perfurou coloque também fibra de vidro, lama e gase. Tape com a parte da lata que tem os pequenos furos e coloque álcool pelos buraquinhos para que umedeça os materiais que estão dentro dessa pequena estufa. Esquente por baixo dessa estufa para que o álcool evapore e depois prenda a parte de cima.
fogo4
Como pode ver, é muito fácil de fazer um pequeno fogão para aquecer alimentos ou como uma fonte de calor para uma situação de emergência e extrema necessidade.
fogo5

domingo, 26 de julho de 2015

COCADA MOLE DA VÓ IZABEL

fonte - POR CASA E COMIDA

COCADA MOLE DA VÓ IZABEL

Receita de Izabel Gimenes e Beth Branco



Sobremesa: cocada mole da vó Izabel (Foto: Rogério Voltan)Sobremesa: cocada mole da vó Izabel (Foto: Rogério Voltan)
Rendimento 1 kg
Tempo de preparo 1h

Ingredientes
400 g de coco fresco ralado grosso;
600 g de açúcar refinado;
1 litro de água;
15 gemas peneiradas;.
2 cravos-da-índia

Modo de fazer
1 Coloque a água e o açúcar numa panela e deixe ferver até atingir o ponto de fio.
2 Fora do fogo, acrescente as gemas aos poucos, mexendo vagorosamente, até que as gemas atinjam a mesma temperatura da calda. Não pare de mexer para não coagular as gemas.
3 Leve a panela novamente ao fogo médio e junte o coco ralado e os cravos.
4 Deixe cozinhar mais um pouco, até que o coco fique bem envolvido com a calda. Apague o fogo e deixe

MILK-SHAKE COM BRIGADEIRO

fonte11/11/2014 -  - FOTO CASA E COMIDA

MILK-SHAKE COM BRIGADEIRO

Receita de Renata Fernandes, da Folie

Milk-shake com brigadeiro (Foto: Divulgação)
Rendimento 1 copo (330 ml)
Tempo de preparo 20 min
Ingredientes
Milk-shake

250 ml de sorvete a gosto;
80 ml de leite.
Brigadeiro
1 lata de leite condensado;
1 lata (mesma medida) de leite;
1 colher (sopa) de manteiga sem sal;
4 colheres (sopa) de chocolate em pó.
Modo de fazer
1 Leve todos os ingredientes do brigadeiro ao fogo médio, mexendo até dar ponto – desligue assim que engrossar.
2 Em um copo de 330 ml, coloque três dedos de brigadeiro (40 g) no fundo e puxe com uma colher para as laterais. Reserve.
3 Faça o milk-shake batendo o sorvete com o leite no liquidificador por 10 segundos.
Complete o copo com o milk-shake e sirva com uma colher de cabo longo.

PIGPIE DE FRANGO

fonte-17/11/2014 -- POR CASA E COMIDA

PIGPIE DE FRANGO

Receita de Milena Addad e Magloni Franco, do Buffet Addad Franco

Pigpie de frango (Foto: Elisa Correa/ Editora Globo)
Rendimento 30 unidades
Tempo de preparo 1 h 25 min
Ingredientes
Massa

3 xícaras (chá) de farinha de trigo;
1 colher (chá) de sal;
1 xícara (chá) de manteiga em temperatura ambiente;
1 colher (sopa) de banha;
1 gema batida com1 colher (sopa) de óleo, para pincelar;
sementes de coentro e de cominho para a decoração.

Recheio
1 cebola ralada;
1/2 xícara (chá) de óleo;
3 dentes de alho amassados;
500 g de peito de frango desfiado;
2 tomates sem pele, picados;
1 folha de louro;
1/2 xícara (chá) de salsinha picada;
1/2 xícara de requeijão.
Modo de fazer
Faça a massa. Numa vasilha, misture a farinha e o sal. Acrescente a manteiga e a banha. Com um garfo, faça uma farofa.
2 Junte 1/2 xícara de chá de água e misture rapidamente. Adicione mais um pouco de água até formar uma bola de massa firme. Embrulhe em plástico e leve à geladeira por, no mínimo, 1 hora.
3 Faça o recheio. Em uma frigideira, refogue a cebola no óleo até murchar. Acrescente o alho, frango, tomate e louro. Cozinhe por 10 minutos ou até o líquido secar. Retire o louro, junte a salsinha e o requeijão e misture bem.
4 Abra a massa em superfície polvilhada com farinha. Forre forminhas de alumínio com a massa e adicione o recheio. Tampe com massa e use mais massa para fazer as orelhas e o focinho dos porquinhos. Pincele a gema batida com óleo e leve ao forno preaquecido a 200ºC por 20 minutos.
5 Use grãos de coentro para fazer os olhos e sementes de cominho para finalizar o focinho dos porquinhos.

Pesquisadores testam relação entre alecrim e boa memória

BBC
26/07/2015 15h48 - Atualizado em 26/07/2015 15h48


Cientistas britânicos tentam descobrir se erva pode realmente ajudar função do cérebro.

Além do óleo essencial, alecrim também é uma das ervas mais populares para temperar alimentos (Foto: BBC)Além do óleo essencial, alecrim também é uma das ervas mais populares para temperar alimentos (Foto: BBC)
Na medicina popular o alecrim é associado há séculos com boa memória. O médico Chris Van Tulleken investigou para a BBC qual pode ser a base científica dessa crença.
Em termos científicos existem diferentes tipos de memória.
Existe a memória passada: o que você aprendeu na escola, por exemplo. Existe a memória presente, usada minuto a minuto. E também a memória futura, ou "lembrar de lembrar".
A memória futura é a mais completa para a maioria de nós. Quando falha, coisas como esquecer de tomar um remédio ou do presente de aniversário do cônjuge acontecem.
Existem estratégias para melhorar a memória passada, porém é mais complicado aprimorar a memória futura - e muitos adorariam ter uma receita.
A medicina, por sua vez, não oferece muitas alternativas. Há remédios que tratam a perda da memória associada à demência, mas não são totalmente eficazes.
Então, quando viajei para Newcastle, no norte da Inglaterra, para falar com o professor Mark Moss na Universidade de Northumbria, estava cético. A equipe de Moss está fazendo experiências para testar se o óleo essencial de alecrim pode ajudar a memória futura.
O alecrim está ligado à memória há centenas de anos.
A personagem Ofélia, na peça Hamlet, de Shakespeare, mostra o alecrim ao irmão, Laertes, e diz que é "para lembrança". Mas, na peça, a personagem fica insana e morre pouco depois dessa cena.
O alecrim é usado em aromaterapia por razões parecidas, mas isso também não pode ser considerado como forte prova científica.
A partir de meu trabalho em comunidades remotas no mundo todo, aprendi que tradições antigas de cura têm muito para nos ensinar e, historicamente, já forneceram muitos remédios úteis.
Mas eu acreditava que aromaterapia estivesse em outra categoria, uma terapia com pouco efeito. Usar cheiros bons para fazer as pessoas se sentirem bem. Ou era isso que eu pensava.
A experiência
Eis como a equipe de pesquisadores da Universidade Northumbria trabalhou: foram recrutados 60 voluntários mais velhos para testar os efeitos não apenas do óleo de alecrim, mas do de lavanda também.
Eles então situaram os voluntários em salas impregnadas com óleo essencial de alecrim, de lavanda ou sem aroma nenhum.
Os participantes recebiam a informação de que estavam testando uma bebida com vitaminas. Qualquer comentário sobre os aromas era descartado e considerado irrelevante, os pesquisadores diziam que o aroma tinha sido "deixado pelo grupo que usou a sala antes".
Os voluntários, eu entre eles, fizemos um teste de memória.
No começo, objetos eram escondidos pela sala em lugares que você teria que se lembrar no final do teste. Então, você fazia uma série de quebra-cabeças com palavras, divertidos, enquanto os pedidos dos responsáveis pelos testes de memória ficavam cada vez mais complicados. No meu caso, duas estudantes, Kamila e Lauren, testavam minha memória.
Eis alguns exemplos: "Você pode me entregar este livro dentro de sete minutos?" ou "Quando você encontrar alguma questão sobre a rainha nas palavras cruzadas, você poderia me lembrar de ligar para a garagem?"
Meus resultados ficaram na média. Esqueci de lembrar à Kamila para ligar para a garagem.
Mas o que a equipe de Mark Moss descobriu com estes testes é notável. Os voluntários na sala com a infusão de alecrim conseguiram, estatísticamente, resultados melhores do que aqueles na sala de controle.
Os da sala com lavanda apresentaram uma queda significativa no desempenho. Lavanda é tradicionalmente associada com sono e sedação.
No sangue
De acordo com os pesquisadores, alguns compostos do óleo de alecrim podem ser responsáveis por mudanças no desempenho da memória. Um deles é chamado de 1,8 cineol. Além de ter um cheiro muito bom (para quem gosta deste tipo de cheiro) ele pode agir da mesma forma que os remédios permitidos para tratar demência, causando um aumento em um neurotransmissor chamado acetilcolina.
Esses compostos fazem isso ao evitar a quebra do neurotransmissor por uma enzima. E isso é muito plausível - inalação é uma das melhores formas de levar drogas para o cérebro.
Quando você consome um remédio via oral, ele pode ser quebrado durante a digestão. Mas a inalação de pequenas moléculas pode passar para a corrente sanguínea e, dali, para o cérebro sem ser quebrado no sistema digestivo.
Moss e sua equipe analisaram amostras de sangue dos voluntários e encontraram traços dos elementos químicos do óleo de alecrim.
As implicações com este tipo de pesquisa são enormes, mas não significa que você precisa passar seus dias cheirando alecrim e suas noites dormindo em um travesseiro de lavanda.
Os efeitos foram detectáveis mas reduzidos, dando uma pista de que é necessário fazer mais pesquisas sobre alguns compostos químicos encontrados em óleos essenciais, o que pode levar à criação de terapias ou aumentar nossa compreensão da memória e do funcionamento do cérebro.
Também é importante lembrar que qualquer remédio com efeito que pode ser medido, mesmo se inalado a partir de um óleo essencial, também pode ter um efeito colateral. Não se pode mexer com a bioquímica do cérebro e esperar resultados simples.
E poderia ser muito bom também se esses estudos também puderem, no futuro, contribuir para a criação de novos remédios para tratamento da demência. O que também restaura parte da credibilidade ao campo da medicina alternativa.
Nós passamos muitos anos criticando os tratamentos alternativos, mas acredito que exista um benefício real ao permitir que as pessoas assumam o controle da própria saúde com tratamentos que as façam sentir melhor, mesmo se não pudermos provar como.